Babel

O que procuras?

16 de out. de 2019

Resenha: A Vegetariana, de Han Kang


"Uma história sobre rebelião, tabu, violência e erotismo escrita com a clareza atordoante das melhores e mais aterradoras fábulas" ( Texto na contracapa do livro)



Capa do livro que tenho em casa

Livro: A Vegetariana
Autora: Han Kang
Tradução: Jae Hyung Woo (traduzida diretamente do coreano)
Editora: Todavia
1ª Edição, 2018 
176 páginas




     




   Yeonghye, uma mulher aparentemente comum , choca a família e a desestabiliza ao decidir, depois de um pesadelo, não mais comer, cozinhar ou servir carne. Uma decisão aparentemente simples porém considerada rebelde, que desencadeia uma série de eventos que fazem com que a dinâmica familiar nunca mais seja a mesma. 

     O livro é dividido em três partes, narrado por três vozes: o marido, única narração em primeira pessoa no livro todo, conta sobre a vida dos dois até um fatídico incidente em um almoço de família (No restante do livro não mais aparece, é apenas mencionado pelos outros personagens após ter se divorciado dela); o cunhado, artista visual que sente-se atraído por Yeonghye e sua rebeldia e a irmã mais velha, cujo ponto de vista vemos na terceira e última parte do livro.  Esta última parte é a mais comovente, pois além de mostrar o declínio mental de Yeonghye em um caminho sem volta, mostra que a irmã mais velha é a única que a enxerga realmente como uma pessoa, alguém que sofre, não como alguém conveniente (como o marido enfatiza, que gostava de Yeonghye por ela não se destacar - ou seja, não fazê-lo sentir-se inferior ou medíocre) ou como objeto de obsessão artística e física (ponto de vista do cunhado). 

A irmã mais velha se importa suficiente para mudar sua rotina e tentar o melhor para Yeonghye, enquanto se questiona sobre sua própria vida e relembra fatos do passado que impactaram as duas até o presente, relembrando outras atitudes "estranhas" que ela teve no passado e buscando explicações para a degradação mental e física que afeta a irmã mais nova. 

    O fato de tornar-se vegetariana, na realidade, é a ponta do iceberg: conforme a história vai se desenrolando pelos diferentes olhares, entendemos aos poucos a razão para Yeonghye ir se afastando gradualmente do mundo e da rotina que conhecia, fazendo assim com que outros familiares também questionem as escolhas de vida que os trouxeram até onde estão. A Vegetariana é um romance perturbador, onde sexualidade e loucura se misturam à medida que vamos conhecendo melhor Yeonghye e as atitudes que ela tem desde que decide não comer mais carne. 

Alguns trechos destacados, normalmente sonhos ou impressões confusas, são narrados pela própria Yeonghye e nos tragam em uma espiral de angústia ao tentar compreender sua mente. 


"Por que será? Tudo parece desconhecido para mim, como se olhasse para as coisas de longe. Como se estivesse presa atrás de uma porta sem maçaneta. Não é bem isso... Será que sempre estive ali e só agora me dou conta? Tudo está escuro e esmagado".(pg 32)



       Com o tempo, Yeonghye vai se desfazendo de outras convenções sociais, abandonando comportamentos considerados padrões: ficando cada vez mais tempo nua em casa sem se importar em ser vista, ausentando-se cada vez mais da sociedade e de suas regras, vivendo em um mundo próprio e afastando-se da família com quem só troca algumas palavras quando necessário. A narração da história nos leva neste turbilhão e nos perturba, fazendo com que nós , leitores também nos questionemos sobre a fronteira entre loucura e sensatez,sobre a violência física e psicológica e marcas da infância.
 Conforme a história avança, essa desconexão de Yeonghye com a realidade e o desejo cada vez maior de conectar-se com os vegetais nos angustia e nos leva velozmente ao final do livro, cuja história termina em aberto, focalizando nas duas e na angústia e melancolia da crua realidade de um mundo que embota nossos sentidos. 

Recomendo muitíssimo o livro, principalmente para quem está preparado para questionar certos padrões sociais e como a sociedade que construímos nos envenena ao mesmo tempo que nos sustenta.  A narrativa flui rápida sem deixar de ser impactante.


 O livro foi lançado há uma década na Coreia do Sul, mas demorou um pouco a chegar aqui no Brasil, a princípio traduzido do inglês. A edição que tenho foi traduzida diretamente do original, e a comprei na Estante Virtual


Para saber mais: 

 - Vídeo do canal Ler Antes de Morrer: uma resenha que explicita muito bem a essência do livro e contextualiza a história (contém alguns spoilers)


- Resenha do blog R.Izze.Nhas 
(mais completa)



Outros sites onde encontrar: 

Amazon

Saraiva

Site da Editora Todavia 
 
----------------------------------------------------------------------------------

Esta postagem faz parte do desafio literário 2019  proposto pela Sybylla, do blog Momentum Saga  



Outras postagens que fazem parte deste desafio:

1) Desmortos, de Mary C. Müller - Um livro Young Adult

2) Tartarugas até lá embaixo, de John Green - Um livro que eu deveria ter lido em 2018

 
3) Marcelo, Marmelo, Martelo, de Ruth Rocha – Um livro Infanto-juvenil 

 
4) Lady Susan, de Jane Austen – Um livro epistolar.


5) Nonoberto Nonemorto,do Grupo Andaime de Teatro - Um livro que é uma peça de teatro  


6) A Vegetariana, de Han Kang - Um livro de autora ou autor asiático

 
 

 
 

2 comentários:

  1. Eu estou atolada de leituras, mas essa me interessou muito!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que honra receber novamente sua visita, abraços!
      Esse foi um livro que me fez ficar uns dias refletindo, tanto que tenho outros para ler mas tive de tirar um tempo antes de mergulhar em uma leitura nova.

      Excluir

Devaneie você também!

Meu Wattpad

Devaneios em Vídeo