28 de fev de 2017

Resenha:Invisível, de Andrea Cremer e David Levithan

Continuando o Desafio Literário 2017, proposto pelo Momentum Saga! 


Desafio Literário 2017 - Um livro que comprei pela capa
Invisível
Autores: Andrea Cremer e David LevithanPáginas: 322Editora: Galera RecordAno: 2014

  A capa chamou-me a atenção, quando vi as marcas amarelas e, sem chegar muito perto pensei qual a causa de uma lacuna. Logo notei que havia uma "mancha" sim, porém sem cor. Invisível, como o título. A contracapa tem o efeito inverso, várias "manchas" invisíveis e apenas uma, amarela, destacada entre todas. Ler a citação que iniciou esta postagem fez com que eu decidisse "pagar para ver". Comprei o livro. ( na verdade, li as orelhas também para terminar de me decidir) 



    " A solidão vem da ideia de que você pode estar envolvido no mundo, mas não está. Ser invisível é ser solitário sem o potencial de outra coisa além de solitário. Por isso, depois de um tempo, você se retira do mundo. É como se estivesse num teatro, sozinho na plateia, e tudo mais estivesse acontecendo no palco".  (Texto na contracapa do livro). 


   





       Stephen é vítima de uma maldição cuja história não conhece. Não faz ideia de o por quê ter sido amaldiçoado e por quanto tempo esta maldição irá durar. Stephen é invisível. Não literalmente, e sim fisicamente. Desde que nasceu, não faz ideia de como é seu rosto. Invisível para os outros e para si próprio, Stephen passa os dias sozinho, recebendo as compras na porta do apartamento e pagando tudo o que necessita com um cartão de crédito, única lembrança de que tem um pai. Os pais se divorciaram há anos. A mãe, faleceu há um ano atrás, deixando Stephen completamente só em uma cidade, em um mundo que ignora sua existência. Quando sai de seu apartamento, precisa concentrar-se em seu corpo, pois quando se distrai as pessoas podem simplesmente atravessá-lo. Sua vida é uma constante luta para não esquecer que existe. 

    Elizabeth acabou de chegar à cidade e tudo o que quer é paz e uma certa invisibilidade. Sofreu muito com a rejeição dos antigos amigos à sexualidade de seu irmão e depois de uma violenta demonstração de intolerância que culminou com um longo período de internação dele, mudou-se com sua família. Decidida a começar uma nova vida, cogita mudar seu apelido, pedindo para ser chamada pelo seu segundo nome. Quer reescrever sua história e livrar-se da mágoa que ainda sente em relação ao acontecido. 

   Elizabeth, em seu primeiro dia no novo apartamento, entra no elevador e não compreende porque o novo vizinho não a ajuda quando ela derruba a sacola de compras no chão. O novo vizinho é Stephen que  ao ouvi-la pedindo ajuda de forma intempestiva, leva um choque: Ela o vê! Alguém finalmente o enxerga, sabe que ele existe e fala com ele! 

Logo Stephen descobre que a maldição não terminou assim, tão facilmente. Na realidade, Elizabeth é a única pessoa que o vê. Uma amizade se forma, rapidamente dando lugar a uma paixão adolescente... com um complicador a mais: a invisibilidade de Stephen. 

Com o passar dos dias, descobrem a origem da maldição e todo um mundo mágico em Nova York, dando início a uma busca por uma cura para Stephen, descobertas surpreendentes, poderes revelados e situações que colocarão à prova a força e a coragem deles. 


   Laurie, irmão de Elizabeth, merece um comentário à parte. Apesar de não ser retratado logo no início, ele é a pessoa que auxilia o casal a manter a cabeça fria nos momentos mais tensos, equilibrando-se com maestria entre o mundo normal com suas tarefas cotidianas e o mundo mágico com o qual começa a conviver tentando ajudar Elizabeth e Stephen. Laurie usa de serenidade e bom humor para dissipar os momentos de desespero e tensão, fazendo amizades facilmente  e propondo perguntas objetivas, como se todo o mundo de encantamentos e conjuros que enfrenta com a irmã e o namorado invisível dela fossem algo normal. Na realidade, Laurie parece "perfeito demais" na história toda. 

 O livro foi escrito por dois autores, revezando-se nos capítulos. 

 O final da história fica em aberto, dando a possibilidade de quem está lendo imaginar o que pode vir a seguir. Pode ser meio decepcionante para algumas pessoas. Ou não... 

E então, você já conhecia o livro? Ficou com vontade de conhecer? 

Deixe sua opinião aí nos comentários! 








  








2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Se essa não foi a primeira resenha desse livro que li foi a mais reveladora a respeito do enredo e personagens da história. Fiquei curiosa, gosto de histórias que brincam com realidade e fantasia. A proposito, o enredo me lembrou "Lugar Nenhum" de Neil Gaiman.

    Jaci
    Uma Pandora e sua Caixa

    ResponderExcluir

Devaneie você também!

Babel

O que você procura?

Quer receber estes devaneios em seu e-mail?

Devaneios em Vídeo