20 de set de 2016

Adeus


Imagem retirada do blog Desejos de Menina

Digo adeus, e digo mais:
- Não olharei para trás, para diante, para nada.
Digo adeus, e nada mais:
Encerrou-se agora a jornada
Eu mesma a encerro,
Sem dor,
Sem arrependimento
Sem culpa.
Por razão nenhuma.
Apenas estou cansada
De ser um hamster girando a maldita roda
Da engrenagem que gira o moinho
Que coloca o mundo para mover.
Estou farta
Sedenta
De eternidade
E vou buscá-la.  





(poema publicado originalmente no meu livro Devaneios e Desvarios, publicado em fevereiro deste ano)


4 comentários:

  1. Boa noite, querida Mari!
    Muito lindo seu poema!
    Reflexivo demais!
    Tem cadência nos versos...
    Gostei imenso!
    Bjm muito fraterno

    ResponderExcluir
  2. Lindo e tão intenso,Mari! Adorei! bjs, tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  3. Um poema, magnífico, Mari!
    Parabéns pelo seu livro.
    Beijinhos,
    Ailime

    ResponderExcluir
  4. Um poema, magnífico, Mari!
    Parabéns pelo seu livro.
    Beijinhos,
    Ailime

    ResponderExcluir

Devaneie você também!

Babel

O que você procura?

Quer receber estes devaneios em seu e-mail?

Devaneios em Vídeo