3 de set de 2014

Blogagem Coletiva: Livros que marcaram a minha infância

Atendendo a uma convocação da Sybylla (Momentum Saga) no Twitter, hoje tem BC! 


Livros que Marcaram Nossa Infância!!!








Vamos lá..

O primeiro livro que me recordo, que foi o primeiro que tive muita, muita vontade de ler, foi Reinações de Narizinho (Monteiro Lobato). Ainda tenho aqui em casa o exemplar, com um carimbo de uma biblioteca do ano de 1967. Era de uma tia minha.


Além deste livro, outro que li foi Caçadas de Pedrinho, do mesmo autor. Adivinhou quem disse que também tenho este livro em casa. 


Na realidade, eu lia e ainda leio o que cai à minha frente, então durante minha infância, assim que fui alfabetizada - o que lembro que aconteceu bem rápido - li muitos livros por ano. Lembro bem que não via a hora de aprender a ler, pois queria muito fazer isto sozinha.

Vivia relendo este exemplar!
Além destes dois livros, tinha uma coleção de gibis da Turma da Mônica e da Disney, cresci rindo e me divertindo com Pato Donald, Mickey, Pateta (Ah, a coleção Pateta Faz História! Pena que só tive acesso a dois gibis destes).







Uma outra obra que me chamou muito a atenção foi uma Bíblia em quadrinhos. Toda minha família é católica, e ter este exemplar da Bíblia foi muito bom, pois tinha uma linguagem simplificada e as ilustrações davam uma ideia de como era a vida, as vestimentas. Era o cristianismo com rosto e personalidades.

Eu lia muitos livros por mês ( "fininhos"), e a cada ano o interesse e a quantidade de páginas dos livros iam aumentando.

Na adolescência, conheci os livros da série Vagalume,e os que mais me marcaram foram Um Cadáver Ouve Rádio e Zezinho, o Dono da Porquinha Preta. Além destes,a adolescência me apresentou aos ótimos Fernando Sabino e Luís Fernando Veríssimo.










Foi na adolescência também que conheci O Pequeno Príncipe e seu amor pela rosa, e admito que chorei no final, rsrsrs.







Além destes livros, li muitas revistas, enciclopédias e o que mais achasse interessante.Tinha um interesse muito grande por Ciências, principalmente o funcionamento do corpo humano e o reino animal, e lia todo material que encontrasse a respeito. Na verdade, eu era quase uma CDF, embora tomasse bomba em Física.



O que percebi com esta blogagem?


Muitas pessoas ainda reforçam o discurso de que "brasileiro não lê", mas vejo muitas crianças e jovens falando sobre seus livros preferidos, adolescentes discutindo com propriedade no Skoob, grupos no Facebook e Twitter. Hoje em dia, o acesso aos livros está mais fácil, na nossa época de infância nem sempre conseguíamos os livros que desejávamos, pois era difícil comprar.

No meu caso, as bibliotecas e livros "mais ou menos velhos" que parentes repassavam foram a salvação, comprar livros era quase impraticável. 
O que salta à vista, e que leva muitos a acharem que os "jovens não gostam de ler", é o fato de não lerem os tais clássicos da literatura. Eu mesma não gostava de ler quando algo era imposto. Outra coisa são os crassos erros de ortografia e expressão nas frases, problemas de interpretação de textos... Mas ainda insisto em dizer que crianças e jovens leem, sim!
Mas é preciso adaptar alguns pensamentos, modos de incentivar as crianças a gostar de livros. Sou professora e sei que as crianças gostam muito de "histórias",e  se o/a professor/a ler com entusiasmo e mostrar gosto pela leitura, influenciará positivamente seus alunos.

E você? Quer participar? 
A blogagem está bombando! 
Deixe seu link lá Momentum Saga! 





10 comentários:

  1. Gostei de ver tuas leituras que acredito tenham sido de muitas nós. Legal lembrar e o melhor é ver que a gurizada de hoje lê muito mais do que antes! Tenho netos devoradores de livros, isso é DEZ! bjs, chica

    ResponderExcluir
  2. Oi! Eu ouvi um prof falando na TV que a internet tem feito os jovens terem hábitos de leitura melhores hoje em dia. Não sei se é verdade mas é muito bom que as pessoas leiam, aí terão mais do que conversar além das novelas da globo. Ah, me mate mas eu odiei o Pequeno Principe kkkk

    ResponderExcluir
  3. Olá Mari,
    Que bela postagem! Que ideia bacana! Sabe, eu também não concordo com essa visão de que "brasileiro não gosta de ler". A meu ver o que acontece é que o brasileiro muitas vezes lê outros tipos de conteúdo e poderia dedicar mais tempo a leitura edificante de livros, como alguns fascinantes que citou! Alguns livros que você postou me fez recordar a infância, onde devorava esses tipos de livros e gibis. No entanto, um pouco diferente de você, não gostava muito de ler livros sobre o corpo humano. Enfim, adorei sua postagem! Parabéns!

    Abraço,
    Flavio Ribeiro

    ResponderExcluir
  4. Oi, Mari!
    Quem acessa o skoob, já o faz por gostar de ler, assim como os grupos no facebook destinados a compartilhar impressões literárias. Mesmo entre as pessoas que gostam de ler, o fator que distancia da leitura são os preços dos livros que no Brasil são realmente caros. Apelar para trocas, grupos de leitura ou baixar livros gratuitos é a saída para quem não tem como sustentar o interesse.
    Também li os livros que leu na infância, já na adolescência os dois primeiros que citou não li. O Pequeno Príncipe, brincava com ele quando não sabia ler. Gostava das imagens. Depois a minha irmã sumiu com o livro e mais tarde que fui me deparar com ele novamente. Uma fábula infantil para adultos. Não sei se sabe, mas o autor por ser opositor de De Gaulle, viu sua obra mofar nas prateleiras quando foi lançada. Somente depois da sua morte que "O Pequeno Príncipe" ganhou o grande público. Indico a leitura de "Terra dos Homens", leitura adulta! Se um dia ele foi uma pessoa obscura por causa da política na França, atualmente ele vive entre os franceses estampando com sua efigie as notas de 50 francos :D
    Boa blogagem!!
    Beijus,

    ResponderExcluir
  5. Concordo com a Luma. Livro no Brasil é um roubo. Entendo que exista uma cadeia inteira de produção, mas pera lá. Livro já é isento de imposto desde os anos 50 e agora que o mercado está aquecido e crescendo os livros não baixam de preço. Claro, nosso mercado poderia ser maior? Sim. Existem vários problemas que levam às pessoas a não ler, mas ainda assim o valor é irreal.

    Adorei o post, Mari! Coleção Vaga-Lume tinha que voltar e urgente. =D

    Abraços!

    ResponderExcluir
  6. eu gostei muito de reinações de narizinho. e do pequeno príncipe. adorava ler os mistérios de agatha christie. beijos, pedrita

    ResponderExcluir
  7. Aaaah eu também gostava de minha versão da Bíblia, com ela e com a ajuda do meu avô desvendei os segredos da narrativa biblica e isso fez e faz toda diferença em minha vida. Gente, eu estou descobrindo que eu era implicante nata, porque meio mundo de pessoas ama a Série Vagalume e eu nem nem para ela. "O pequeno principe" também descobri na adolescencia e como não se apaixonar por essa história? É uma viajem de volta no tempo pensar em livros que marcaram a infancia e eu estou aqui divangando com você nega!!!

    ResponderExcluir
  8. Interessantíssimas as experiências literárias narradas e compartilhadas nessa blogagem coletiva!!!! Pandora, não te preocupe pq tu não ta sozinha nessa distância da série Vaga Lume, nunca a li pq era algo imposto na escola e, além disso, não me animava mesmo, mas acredito que foi uma série fundamental para estimular a leitura da galera. E quanto mais leitores e leitoras, melhor!!! Inclusive pra pressionar mais por preços de livros razoáveis no Brasil!
    Parabéns pelo post, Mari!!!

    ResponderExcluir
  9. Olá, querida Mari
    O Pequeno príncipe o li na adolescência...
    Uma relação e tanto!!!
    Bjm fraterno

    ResponderExcluir
  10. Gostava muito da série vaga-lume, vivia biblioteca da escola pegando emprestado, e acabava competindo com os colegas da sala, para saber quem conseguia ler mais livros.

    ResponderExcluir

Devaneie você também!

Babel

O que você procura?

Quer receber estes devaneios em seu e-mail?

Devaneios em Vídeo