6 de mai de 2014

Pedaços soltos.

"Sofro" de um problema antigo e que afeta a muitas outras pessoas que conheço: o ciclo dos começos sem fim.
Tenho muitos textos iniciados, muitos até o meio...mas não consigo criar um fim. 

Tenho ideias boas no banho, pilotando a moto, caminhando, enfim, quando simplesmente não tenho como anotar. E as melhores ideias aparecem quando estou mais longe de casa e não tenho como "correr" e anotar em algum lugar. E anotar no celular não me adianta muito, pois acabo esquecendo que teclei alguma coisa naquele aparelho. Preciso ver a escrita na minha frente, preciso usar o lápis,caneta,delineador ou coisa que o valha (o que estou dizendo? Quase não uso delineador). Visualizo as minhas ideias como se estivessem impressas na página de um livro - que doideira - e anoto rapidamente onde posso. Mas na maior parte das vezes não tenho onde anotar. 

Enfim, voltemos ao problema que foquei lá em cima, no primeiro parágrafo, antes que eu me perca em digressões e fique parecendo o papagaio de A Décima Segunda Noite: fins sem começos, começos sem fim. 

Tenho contos, textos, romances iniciados. Falta, adivinha? Terminar. 
Faço o que? Me escondo em uma cabana no meio da selva e só saio quando terminar? Não dá, pelo menos não agora. A ideia até que é tentadora, mas realmente agora não dá. 

Talvez ajude um pouco mais parar de ler tantos sites de tirinhas com a desculpa que ler sites diversos ativa mais ideias. Poderia "falar sozinha" mais vezes para estimular o tico e o teco a não esquecer as ideias com facilidade, mas com certeza o pessoal no trabalho iria ficar muito preocupado. 
No momento, as ideias estão fluindo enquanto escuto música. Isso sempre funciona. Mas aí volto ao problema inicial, mais uma vez: músicas me inspiram, abro postagem nova no blog, inicio um conto com inspiração em alguma letra de música e não estou terminando! De novo a maldição dos começos sem fim. 

Mas agora isso me faz refletir: isso acontece com meus escritos e por hora prejudica apenas a mim mesma - e talvez a alguém que esteja esperando por textos frescos no blog. Mas há gente que faz isso com a VIDA REAL! 
Inicia um novo empreendimento e não termina, ficando financeiramente vulnerável.
Inicia um novo relacionamento e continua com os erros do anterior, o que faz com que ele termine sem ter a chance de continuar por mais tempo (nesse caso é um término sem gosto de término: sensação de que algo ficou no ar)
Inicia uma nova proposta para a vida, mas não persevera e acaba fazendo as mesmas coisas "de sempre" depois de um tempo. 

Enfim, textos que iniciam e não terminam ainda são perdoáveis: Podem ficar amadurecendo, aguardando como vinhos o melhor momento de ficarem prontos. 
Mas viver iniciando e não concluindo projetos de vida leva a tantas pontas soltas, que no final a sensação de bagunça fica e tropeçamos nos novelos que espalhamos no caminho. 

É errado desistir de algo e começar uma coisa nova? Absolutamente não! Devemos ficar bitolados, compartimentados em uma coisa só? Não, não e não! A vida tem tanta coisa para experimentarmos! 

O erro está em não concluir nada, não continuar nenhum projeto, desistir nas primeiras dificuldades, no primeiro impasse, na primeira desilusão, quando quem sabe insistindo um pouquinho mais poderia se encontrar a verdadeira, a genuína alegria em gostar do que se faz.

E você, que teve paciência para ler até aqui? 
Tem muitas coisas começadas e não terminadas? 
Tem planos para estes projetos interrompidos?
Eu só sei que vou resgatar a pasta em que tenho meus contos, e mais dia menos dia eles vão ficar prontos. Chega de procrastinação,e viva as caminhadas, os bloquinhos de anotação, os livros e as ideias! 
(Agora dá licença, quero ver se alguém continuou uma proposta de conto coletivo que iniciei... e se ainda tenho aquele início de livro...e se já anotei o que vou fazer amanhã na escola...e...são 11:30 da noite! Melhor dormir, tenho ideias boas quando deito também, ahahha) 
Tchauzinho e até a próxima!

9 comentários:

  1. Legal te ler! E sabes, se eu começo a escrever, vou até o final.Senão me perco.
    Assim sou na vida(em geral) mas quando vejo que não dá, largo de mão.Assim foi na profissão...
    Seguir, tentar, enfrentar, cair, recomeçar faz parte sempre! beijos,lindo dia e tuuuuuuuuuuudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  2. O importante é não desistir, Mari
    Vá com calma
    Eu sou muito apressadinha e quando começo a fazer algo, vou até o fim
    Lindo dia para você, querida
    Beijinhos de
    Verena e Bichinhos

    ResponderExcluir
  3. Marina, os celulares também gravam. Já tentou isso? :)
    Realmente, textos sem fim são inquietantes. Gosto de terminá-los logo pra não perder o fio...
    Boa sorte com seus textos!
    Beijo, menina

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. rsrsrs... o problema é ter uma ideia no meio das crianças, durante a aula. Seria estranho falar para um celular,kkkk. Já gravei, sim.
      Na realidade estava querendo mais falar era da vida real.
      E ótima semana para você, logo venho visitar teu blog de novo!

      Excluir
  4. Olá, querida Mari
    Para concatenar ideias é preciso execício... persistência, grande ânimo e generosidade em si...
    Creio que vc tem tudo isso dentro do coração basta crer e perseverar com garra...
    Na prática espiritual, dizemos que o inimigo da natureza humana tenta minar as nossas forças para não nos levar a um bom termo...
    Na vida cotidiana é o mesmo...
    Não desista e tive paciência de ler até o fim sim... bom sinal pra vc e para mim...rs...
    Escrever faz muito bem!!!
    Seja abençoada e feliz
    Bjm fraterno de paz e bem

    ResponderExcluir
  5. Eu começo um texto com uma ideia fixa, e eu mesmo me faço mudar de ideia, é como se eu começasse a falar porque eu amo a cor verde, e porque ela me representa, e no fim eu falasse: "Porra eu amo é vermelho, me preenche, me combina!!" http://blogpsike.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. rsrsrs... Verdade, muitas vezes tenho de fazer força para meu texto não ficar contraditório.

      Excluir
  6. Bom. Posso dizer que procuro terminar tudo o que começo, principalmente com texto. Porém, se eu disser que é 100% estaria mentindo. Tenho 2 ou 3 texto que ainda não fiz o desfecho. Entretanto, idéias eu anoto. Como tu, eu tenho lampejos de ideias em ocasiões difíceis e até mesmo pequenos desenvolvimentos. Na primeira oportunidade eu anoto. Não considero iniciado, apenas um projeto a ser desenvolvido.

    ResponderExcluir
  7. Olá, Mari,Bom dia,
    Como vai?
    Pessoalmente... continuo pautando minhas decisões naquilo que eu realmente acredito, são mais pensadas e menos espontâneas. Inicio muitas coisas e termino,sim... por vezes, levado pelas circunstâncias, me pego tentando corrigir algo que já foi "terminado",mas vou até o fim. E procuro não errar em "não concluir nada, desistir nas primeiras dificuldades" e se erros ocorrem foi porque tentei...
    Escrevendo... por vezes, tenho a ideia, e tal como vc,sem ter como e nem onde anotar, e parece algo surreal, mas ela ( a ideia) fica em "standy by" na minha "cabeça", tanto que quando começo a digitar , o texto está pronto, somente correções mínimas...
    Vim agradecer pelo carinho de sempre, belo final de semana,beijos!

    ResponderExcluir

Devaneie você também!

Babel

O que você procura?

Quer receber estes devaneios em seu e-mail?

Devaneios em Vídeo