3 de mar de 2013

A Raposa e as Uvas - Repaginadas.

Havia uma raposa que estava esfomeada. Caminhando por várias propriedades, deparou-se com um vinhal. No alto das videiras, cachos violáceos, reluzentes. A raposa, lambendo os beiços, quis alcançar aquelas uvas tão apetitosas. 

Imagem tirada do blog  Paolita Mimos
Saltou.  No vazio. Tentou pular mais vezes, criou saltos elaborados, mas cada esforço redundava em fracasso e a fome apertava cada vez mais. Não havia uma escada ou outra árvore em que pudesse subir.


Dirigiu-se, então  à uma loja de eletroeletrônicos, pegou uma motosserra e derrubou várias videiras, com gargalhadas sádicas. 

Após derrubar e provar algumas uvas, lembrou-se que era carnívora, e na mesma propriedade encontrou um galinheiro. 

Comeu à vontade, e dias depois, morreu de gripe aviária. 


Moral da história:

1) Não contrarie sua natureza, se você for uma raposa, vá caçar. 

2 e não menos importante) Cuidado ao comer fora de casa! 


Tá , a história real tá aqui, ó:


Por hoje é só, até a próxima!!! Boa semana e saúde!

5 comentários:

  1. A D O R E I a historia adaptada à uma questão tão atual.

    Abração
    Jan

    ResponderExcluir
  2. Amei! Muito inteligente!http://mardeletras2010.blogspot.com.br/2013/02/ha-o-amor-e-claro.html#comment-form

    ResponderExcluir
  3. Gostei da releitura, Marina. Resolvi também criar um final alternativo.

    ===================================================

    No entanto, dias antes de morrer, a raposa estava tranquila em sua toca quando ouve a campainha - as tocas das raposas, dentro do programa "Minha Toca, minha vida", já contavam com energia elétrica."Quem será a esta hora da manhã?", pensou a raposa. Era um fiscal do IBAMA.

    - Dona raposa?
    - Sim?
    - Meu nome é Jurandir da Silva, sou oficial de justiça e trago uma intimação para a senhorita.
    - Intimação?
    - Sim. De acordo o artigo 39 da Lei 9.605 /98, a Lei contra Crimes Ambientais, a senhorita está intimada a comparecer no IBAMA para prestar esclarecimentos.
    - Mas...mas...por que?
    - A senhorita cortou uma árvore em área de preservação ambiental.
    - Era apenas uma videira!
    - Não interessa, a senhorita o fez sem autorização. Aqui está a intimação, queria assinar, por favor.
    - Mas...mas...eu não tenho advogado.
    - A senhorita pode conseguir um na Defensoria Pública ou na OAB. Tenha um bom dia.

    :)

    ResponderExcluir

Devaneie você também!

Babel

O que você procura?

Quer receber estes devaneios em seu e-mail?

Devaneios em Vídeo