28 de ago de 2012

Balada do Céu Negro

Era noite, e Lúcia ia caminhando sem pressa, silenciosamente. Cabeça baixa. Volta e meia chutava uma latinha, metal ecoando pela rua deserta.
Céu negro. O luar havia sumido, a chuva não tardaria.
Negro. Céu. Coração. Dia.
Mais uma vez, voltava para casa sozinha, ruminando seus pensamentos. Era assim, desde que descobrira que seu primeiro amor, na verdade, nunca fora recíproco. Adilson era tão imaturo! E Lúcia, uma boba.
Foram meses apenas trocando olhares; semanas conversando, se conhecendo, e Lúcia tolamente se apaixonando. "Que legal, finalmente aconteceu comigo! Agora sei o que é amar"
Não, ela não sabia. Como também não sabia que Adilson apenas queria "ficar".
"Burra, burra"! Pensava consigo."Fiquei tanto tempo me arrumando, com o coração aos saltos cada vez que a gente se encontrava em alguma festa. Achava que ele também era apaixonado por mim".
A paixão durou até a festa seguinte, quando Lúcia o viu com outra menina, amiga dela.
Tentou se iludir, "estão apenas conversando".
Adilson a viu, fez sinal. Foram até a pracinha conversar, e ela ouviu:
" Eu estou muito confuso, então gostaria de dar um tempo".
Em menos de meia hora, ele já estava dando um tempo e sabe-se lá o que mais, com a outra menina!
E como arrancar o que estava sentindo? Ele a procurou outras vezes, e ela não conseguia resistir.
"Fraca!"
Mas esta noite fora diferente. Ela o deixara lá, plantado. Adilson chegara até a mesa em que Lúcia estava, querendo "dar uma volta",e ela finalmente reuniu coragem e disse "não".
Foi embora. E agora estava na estrada, indo para casa, logo perto. Chutando latas e pensamentos. Iria arrancar esse maldito sentimento e crescer!
"Argh, adolescência, por que prega essas peças? Isso vai passar?
Vai. Vai passar."

E continuou seu caminho, cantando baixinho a Balada do Céu Negro.
 



Não há nada que acalme um coração que faz
Do amargo seu sabor
Nada basta a minha alma que reclama sem paz
Os teus beijos sem amor
Vejo céu negro derramar
sobre a cidade a sua dor

Meus olhos no rastro do sol
que a tempestade nunca apagou
pra onde vão desejos?
palavras sem razão?
Pra onde vão palavras?
versos ao vento vão 


10 comentários:

  1. Olá, Marina.
    A adolescência é assim mesmo, para quem nada conhece, tudo se torna superlativo.
    A dor de perder alguém (supostamente) amado dói em qualquer idade, mas a dor passa.
    Demora, mas passa.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Vim para, quem sabe, incentivá-la a participar do Prosas Poéticas e me deparo com um texto maravilhoso desse, querida?... Adorei, achei magnífico, parabéns!

    ResponderExcluir
  3. Marina, vou filosofar um pouco aqui, filosofia de mesa de barzinho para gente depois dos trinta e quarenta...
    Os adolescentes inventaram essa coisa de "ficar", mas quem se deu melhor com isso foram os adultos. E quem sofre mais são AS adolescentes.

    Muito legal o texto, bem a cara da adolescência.

    um beijo.

    ResponderExcluir
  4. Curti bastante o texto, o li ouvindo a música o que foi melhor ainda, combinou muito bem.
    Abç

    ResponderExcluir
  5. Que lindo, se afastar do amado sempre trás dor. Normal e mesmo assim machuca.

    http://iasmincruz.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Olá Mari,
    De fato os adolescentes procuram ilusões para justificar o que não conseguem mudar. Enfim Lúcia se encheu de coragem para dizer um sonoro "não"! E isso é o primeiro passo rumo a felicidade, creio eu.

    Abraços, Flávio.
    --> Blog Telinha Critica <--

    ResponderExcluir
  7. Olá!Boa noite!
    Mari!
    Se Lúcia ignorasse, ele iria continuar maltratando...foi superior... diante da mesquinharia, da pobreza de espírito do "carinha"...essa fase onde nos preparamos para desenvolver uma própria identidade
    uma fase de extrema relevância, que deve ser
    minuciosamente vivida por Lúcia. Ela
    vai conseguir descobrir seus valores...e tudo que acontecer...passará!
    Música perfeita para seu belo texto!
    Boa quinta feira!
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Oi Mari
    Muito legal o conto, vc é muito boa no que faz, poesia, conto, crônica, enfim, tudo mesmo. Como é gostosa essa fase da adolescência, quando tudo nos encanta, agora já madura eu penso: Eu era feliz e não sabia kkkkk. Mesmo sendo muito feliz com a vida que eu levo, mas as responsabilidades aumentam e muito.
    Bjão. Fique com Deus!

    ResponderExcluir
  9. Mari, isso não é só coisa de adolescente, eu vivi isso há meses atrás, porém consciente de que era um ficar esporádico, mas a gente sempre pensa que 'ele' vai se apaixonar e de uma hora para outra (como em contos de fadas) vai pedir para ser dele para sempre! ILUSÃO!
    Os homens curtem 'ficar' em qualquer idade!
    Mas a vida continua, isso passa como tudo na vida passa.
    Bjoks

    ResponderExcluir
  10. Olá Mari,
    Aceite meus sinceros votos de uma semana maravilhosa; repleta de felicidade e muito amor...
    Beijos.

    ResponderExcluir

Devaneie você também!

Babel

O que você procura?

Quer receber estes devaneios em seu e-mail?

Devaneios em Vídeo