6 de jul de 2012

Blogagem Coletiva - Espiritualidade


O QUE VEM A SER ESPIRITUALIDADE?

Por que uma única palavra, com um significado apenas no dicionário, consegue ter tantos significados diferentes para cada pessoa no mundo?

Falando agora um pouco da minha experiência, que é o objetivo da Blogagem Coletiva...

    Minha experiência espiritual já teve altos e baixos: nasci e fui batizada em família católica. Meus pais, principalmente minha mãe, sempre valorizou muito os ritos de nossa religião, frequentando missas, novenas, rezando o rosário. 

    Na infância, eu não gostava muito de frequentar a igreja, pois criança ativa que eu era, achava aborrecido ficar recitando orações  e sentar...levantar...ajoelhar.. e sem falar nas ladainhas que a líder da comunidade "puxava", e que para meus ouvidos de criança eram nada mais que murmuração. 

Imagem retirada do site projetovega
    Depois dos nove anos, iniciei a catequese católica, para a primeira comunhão, e com a dedicação das catequistas pude entender um pouco melhor a devoção que o povo tinha, o porque de considerarem religião tão importante.. Senti mais paz. Porém, minha espiritualidade não era sólida. Ou seja, o que eu exercia, e via, era religiosidade no sentido de seguir dogmas e mandamentos da Igreja. Não vivia a religião no sentido de re-ligar. O que me unia a Deus era apenas o exterior. Eu era muito imatura e achava que rezar, repartir o que tinha com outros e procurar tratar a todos igual era o que bastava. 

    Na adolescência, me afastei um pouco, pelo menos em mente (ou espírito) do exercício do que chamo religiosidade: ia aos cultos da igreja, lia a Bíblia, porém não me sentia apta a aplicar ensinamentos daquela ordem na vida prática. Era uma separação entre mente, corpo e espírito que mais me torturava que fazia bem, pois minha consciência dizia que eu era pecadora e nada que eu fizesse mudaria isto. 

    Com o crescimento, vem o amadurecimento: meditando, lendo e refletindo muito vi como precisava mudar, sim, mas internamente. Percebi que muita coisa boa eu já fazia, e que poderia melhorar em muitos outros aspectos de minha vida, tendo mais paciência, ouvindo mais e melhor... Nunca fui o estereótipo da adolescente auto-suficiente,gostava de ouvir e aprender. 

  Não cheguei a frequentar encontros de outras religiões/denominações para "me procurar". Porém fui com o tempo distinguindo e separando espiritualidade de religiosidade: como gosto muito de ler, e sou curiosa, pesquisei e pesquiso até hoje sobre a origem de muitos dogmas e leis das diversas Igrejas (da que frequento principalmente, pois sou catequista e não quero que os jovens sejam obrigados a terem uma fé cega). 
Blog Espiritualidade Para Todos


    Muita leitura e diálogo com indivíduos de outras denominações religiosas me fazem chegar à conclusão que o Criador deixou um pouco d'Ele em cada um de nós, e esse pouco que Ele deixou se manifesta de muitas formas diferentes. Às vezes não conseguimos compreender essa centelha, trabalhá-la corretamente, e daí advém os males diversos que assolam o mundo: outros, fazem essa centelha, essa luz, brilhar cada vez mais, modificando as pessoas e o mundo ao seu redor, e trazem esperança. 

   

Hoje em dia, me sinto bem com minha espiritualidade: Mesmo sendo muito reflexiva, quase cética em algumas coisas, acredito que viemos de um mesmo lugar, tivemos Alguém que nos criou, e esse Criador nos ama incondicionalmente, pois somos parte dele, assim como ele é parte de nós. E como todos viemos da mesma matriz, tratar-nos uns aos outros com respeito é - ou deveria ser - consequência. 

Espiritualidade é uma fé exercida com sabedoria.

(desculpem o texto longo, me empolguei..)

Clique AQUI para ver os blogs que estão participando da blogagem. Leiam, inspirem-se, comentem. 

E que venham outras blogagens!

 

30 comentários:

  1. Amei o seu texto, o mais importante disso tudo é que independente de cada credo ou denominação somos filhos de um mesmo Pai. Um Pai misericordioso e bondoso, beijinhos☻

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Lindo texto e não foi longo não...adorei conhecer sua religiosidade, penso que o importante de tudo é o respeito de um para com o outro.Abraços da verinha.
    Seu espaço é muito lindo. Obrigada por tudo.

    ResponderExcluir
  4. Mari,
    Estou iniciando a "turnê" pelos blogs participantes da Blogagem sobre espiritualidade pelo seu, e nossa já começou de forma maravilhosa, adorei o seu texto! Apesar de termos seguido por linhas diferentes, o processo de amadurecimento e estudo que descreveu também me foi igual.

    Também concordo quando diz que cada um tem dentro de si a luz do criador, e por isso e apesar de tudo, somos especiais.

    Parabéns!

    Abraços Flávio,
    --> Blog Telinha Critica <--

    ResponderExcluir
  5. "o Criador deixou um pouco d'Ele em cada um de nós, e esse pouco que Ele deixou se manifesta de muitas formas diferentes"

    Gostei muito desta frase... acho que resume bem sobre o que esta blogagem coletiva é! Tive uma trajetória parecida, só que meus maiores influenciadores na fá de criança eram meus avós - ambos luteranos.

    Amadureci com uma visão mais ampla e pessoal... O importante é a procura de cada um.

    Adorei demais o texto!

    ;D

    ResponderExcluir
  6. Oi gostei muito do seu texto e do seu crescimento pessoal...

    Saudações

    ResponderExcluir
  7. Oi Mari, bem, gostei do teu texto, bem pessoal, direto, e sem firulas, é muito particular discorrer sobre espiritualidade, entra na esfera da fé, e fé não se explica, se vive, quando aprendemos a respeitar a fé alheia e expomos a nossa sem impor, ai começa o respeito pela espiritualidade alheia, e essa blogagem coletiva serve justamente pra isso, para expormos as nossas impressões sobre este tema, quem está certo ou errado não cabe julgarmos, um dia saberemos quem esteve certo ou errado, mas ter fé e acreditar em algo superior além de nos dar um lado emocional equilibrado, somos mais esperançosos em relação à vida e à morte. Eu sou cristão protestante, acredito em Deus, em Cristo como sendo Deus Filho e o nosso único Salvador, e na pessoa do Espirito Santo, exponho minha crença em meu site sem impor ou ofender a fé alheia, e graças à Deus as pessoas comentam as minhas postagens sem constrangimento, e isso pra mim já é uma vitória.

    Parabéns pelo seu texto, e que Deus te abençoe.

    ResponderExcluir
  8. Mar,
    Gostei do teu trajeto de crescimento espiritual, pois creio que só realmente podemos encontrar essa parte que nos falta e que as vezes não sabemos como preencher essa procura... Sim o Criador deixou uma parte dele em nós e por isso somos chamados filhos, provindo do mesmo DNA.
    Quanto aos questionamentos, eles serão sempre presentes, visto que nós vamos evoluindo nosso entendimento, com leituras, reflexões, e experiências pessoais que temos com Ele.
    Parabéns pelo texto.
    bjks doces e bom fim de semana

    ResponderExcluir
  9. Olá! sou Ivani, do blog samambaia.
    Gostei muito de ler seu texto, e perceber que existem maturidade e respeito em suas opiniões.
    Como catequista suas pesquisas são ricas, o que me tranquiliza em relÇõ ás crianças que precisam aprender de maneira lúcida, clara.
    Parabéns, gostei muito.
    beijo.

    ResponderExcluir
  10. Eu me identifiquei com sua trajetória de catequista no sentido de não querer educar pessoas para terem uma fé cega, quando fui professora de escola dominical presava isso na formação de minha alunos e estimulava elas a lerem a Bíblia que para mim é a fonte de conhecimento primordial!

    Também compartilhamos a ideia de Deus e seu texto não foi longo foi instrutivo, claro e eu curti!

    ResponderExcluir
  11. OLá amiga, boa noite!!

    Gostei demais do teu questionamento pra reflexão logo no início do teu texto: "O QUE VEM A SER ESPIRITUALIDADE? - Por que uma única palavra, com um significado apenas no dicionário, consegue ter tantos significados diferentes para cada pessoa no mundo?
    Eu me atreveria a uma resposta sob o meu ponto de vista, reconhecendo que o ponto de vista depende da "vista do ponto...", e como cada qual tem o teu, talvez essa pergunta fique sem resposta...
    E, concordo contigo quando diz que "Com o crescimento, vem o amadurecimento: meditando, lendo e refletindo muito vi como precisava mudar, sim, mas internamente." - Perfeito, minha querida!

    Parabéns por sua participação brilhante nessa Blogosfera Coletiva , adorei!

    Beijos da Lu...

    ResponderExcluir
  12. Eu na adolescencia nao procurei mts religiões não, me dediquei só a uma, o que me manteve estruturada mas tb causou alguns problemas mais sérios. Acho saudável ter espiritualidade ativa, mas é legal fazer isso que vc faz: estudar os diferentes tipos pra nao adquirir preconceitos. Beijos!

    ResponderExcluir
  13. Li teu texto atentamente...
    Respeito todas ascrenças e as não crenças...
    Penso que todo caminho leva ao crescimento e a Deus.
    Parabéns a todos voces que se propuseram a escrever sobre o tema!!
    bjinhos...

    ResponderExcluir
  14. Mari, só eu sei o quanto esta primeira frase foi vivida em minha realidade. "Peregrinei" por tantos lugares em busca da tal Espiritualidade e hoje me vejo afastado de toda e qualquer denominação. Como comentei no blogue da parceira Joicy, acabei por descobrir que não é no exterior que nossa espiritualidade evolui, embora os mais variados tipos de crença tenham ajudado de algum modo em minha formação espiritual, em especial o caso da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias que mencionei em meu post.
    Estou presenciando poucos posts de pessoas que, como quase todas (exagerando um pouco) foram batizadas na Igreja Católica e, mesmo que saíssem, permaneceram firmes nesta religião. A maioria pendeu para o Protestantismo. Admiro quem continuou firme em sua origem e não precisou "se perder" para "se encontrar".

    ResponderExcluir
  15. Depois de amadurecer que comecei a ver o mundo de outro jeito e a sentir realmente o que estava fazendo, não apenas fazer por fazer.
    Gostei do fato de você não querer que os jovens tenham uma fé cega. Acho importante o ensinamento, mas também o questionamento. Acho que uma fé cega não chega a ser fé, pois você fica sem opinião.
    Grande Abraço

    ResponderExcluir
  16. Olá!Bom dia!
    gostei do texto em "formato cronológico"...ficou bem claro, as "transformações", a "busca" que você teve, durante a sua vida...também,penso que amadurecer é a descoberta de um eu profundo. O nosso olhar muda. Passamos a ver a vida sob uma ótica mais amena, menos rigorosa, mais terna e mais valorizadora, antes quase imperceptíveis. O amadurecimento acaba por sinalizar uma necessidade maior do que tão somente buscarmos o amadurecimento psicológico, mas sim, realizarmos o nosso crescimento espiritual... precisamos realizar a mudança dos padrões mentais, alterando assim a nossa forma de sentir, pensar e agir, para melhor. E foi com esse objetivo que esta "blogagem" serviu para colaborar de alguma forma...
    Bom final de semana!
    Beijos

    ResponderExcluir
  17. Mari,você é a primeira blogueira da minha peregrinação espiritual pelos blogs! Gostei muito da sua visão acerca da espiritualidade,também gostei do seu perfil,parece-me ser ótima catequista,dá a impressão de ser uma pessoa calma e assertiva,o tipo ideal a repassar ensinamentos,principalmente estes tão importantes porque farão parte da base moral de nossos futuros adultos. Ao contrário de você,quando criança o que me enfadava não era o senta e levanta mas sim os dogmas.Meu exterior sempre foi calmo e contemplativo,mas o meu interior sempre esteve em ebulição.Gostei muito de ver a sua evolução,a sua convicção e firmeza.Você falou a verdade,o criador deixou um pouco de si em cada um de nós portanto é desnecessária toda essa luta para saber quem leva a melhor,todo esse ódio contra o seu semelhante Parabéns!

    Beijocas!

    ResponderExcluir
  18. Olá, Mari!
    Gostei muito do seu texto e do seu discernimento. E fiquei feliz em saber que você é catequista porque pessoas que se preocupam em aprender são as melhores para ensinar.
    Você diz que com reflexão, meditação e leitura foi percebendo que precisava alcançar uma mudança, mas uma mudança interna. Acho que é nesse momento que começamos a amadurecer de verdade, começamos a nos descobrir, evoluir e com muita dedicação, adquirir um pouco de sabedoria. Parabéns pelo texto!
    Abraços!

    Seu blogue é muito bom! Acho que vou ficar por aqui!

    ResponderExcluir
  19. Estou acompanhando vários textos dessa blogagem coletiva, cada um tratando o mesmo assunto de formas diferentes, como é lindo isso, interessante e curioso.
    Gostaria de saber mais sobre como são essas blogagens coletivas e se poderia vir a participar um dia.
    Estou seguindo seu blog, visite o meu para podermos trocar essas ideias.

    http://senhoritamoca.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  20. Oi, Mari, muito boa sua participação na coletiva, um texto simples, claro e gostoso de ler. Gosto dessa sua ideia de que a espiritualidade traz mudança de vida, uma mudança de dentro pra fora, e não imposta, empurrada goela abaixo. Pra quem faz esse trabalho de iniciação das crianças na vida espiritual, é de suma importância fazer isso que vc faz, estudar, pesquisar... mas principalmente ser exemplo de vida daquilo que está ensinando, é uma responsabilidade muito grande.

    Parabéns pelo texto, bjinhus e até a próxima =)

    palavrasdevalquiria.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  21. Então Mari, eu valorizo muito o relacionamento pessoal com Deus, afinal foi isso que Jesus veio nos trazer né, lembremos da narrativa bíblica que diz que logo após a morte de Jesus o véu no templo se rasgou ao meio, este véu simbolizava a separação entre os homens e Deus, que a partir de então já não existiria mais, acho esta uma das questões mais fascinantes do cristiamos, pois ela revela um fato que as religiões geralmente tentam esconder, o de que podemos chegar até Deus sem o intermédio de um padre, pastor ou qualquer outro líder religioso. É por isso que sempre digo que meu atrito é com as instituições religiosos e seus dogmas e regras (criados e sustentados por homens) e não em relação à fé...

    P.S. Estou rindo rsrsrsr, todo post da blogagem coletiva que entre tem um comentário do Paulo Cheng que começa com "gostei do teu texto, bem pessoal, direto, e sem firulas" kkkk

    ResponderExcluir
  22. Olá, Mari.
    Resolvi ir aos poucos visitando alguns blogueiros participantes da blogagem coletiva, e cá estou.
    Realmente este tema é bem complexo quando vamos falar sobre ele, não é mesmo? Mas você usou as palavras conforme sua própria experiência, o que achei interessante.
    Tenho a minha crença, minha forma de enxergar a espiritualidade parecido e um pouco diferente de você. Pena não ter participado desta blogagem coletiva para também expor minha visão. =/
    Bem, o que concluí nestes meus poucos últimos anos desde que me entendi por gente que pensa, foi que cada pessoa tem sua verdade baseada na sua experiência, e em se tratando de espiritualidade não é diferente, nem um pouco.
    Mas acima de todos os nossos " achos e porquês", o que há de mais importante é o respeito mútuo, a tolerância entre as pessoas de pensamentos diferentes, e vivermos em harmonia e paz como Jesus nos mandou: Ama o teu próximo como a ti mesmo.
    Ele não mandou amarmos só quem pensasse igual a gente, mas ensinou que devemos amar ao nosso próximo, seja ele quem for e como for.

    Parabéns pelo texto e sua participação na Blogagem coletiva.
    grande beijo!

    ResponderExcluir
  23. Obrigada por seguir meu blog, estarei aguardando seu contato quando houver novas postagens coletivas.

    Um beijo!

    http://senhoritamoca.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  24. Olá, Marina.
    Me parece que a trajetória espiritual de muitos blogueiros é similar: se começa seguindo a religião imposta pela família e depois se decide se a segue ou não.
    Com ou sem religião, acredito que todos nós temos similaridades e propósitos comuns, o que nos une e nos torna melhores; talvez isso seja a espiritualidade.
    Abraço, Marina.

    ResponderExcluir
  25. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  26. Mari, tudo bem?
    Gostei bastante do teu texto, foi de certa forma didático, se assim dá para dizer rsrs, onde o leitor consegue quase visualizar tua experiência e caminho pela espiritualidade.
    "Espiritualidade é uma fé exercida com sabedoria" - não poderia concordar mais com essa frase!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  27. Olá,Mari!!
    Eu sou a Soninha.E aqui vim retribuir seu carinho,amada.
    Amei seu texto. Vc foi verdadeira e isso é sensacional.
    Vc tem crescido, tens fé,tens o amor de Deus .É um processo!!

    "Espiritualidade é uma fé exercida com sabedoria"
    Beijos no seu coração!!!
    Soninha.

    ResponderExcluir
  28. Marina, gostei de seu texto! É interessante ver a trajetória de muitos e perceber que com o passar do tempo cada um toma seu próprio caminho, mesmo que diferente do imposto pela família. Penso que espiritualidade é algo toralmente individual... e para mim, basta sentir. Não dou nomes!

    Gostei imensamente de participar desse projeto! Foi muito bom ler tantos textos diferenciados...

    bjks JoicySorciere => CLIQUE => Blog Umas e outras...

    ResponderExcluir
  29. Muito bom... vc sempre esteve ali, bem presente em sua vida, vejo tantas pessoas perdidas e sem rumo, quando o caso é espiritualidade, tem aqueles que procuram sem descansar o perdão de Deus, mais nós mesmo precisamos nos pedroar a maioria das vezes... Gostei demais do texto... poxa, só eu fiquei fora dessa Blogagem coletiva... hahahaha... Bjs

    http://www.artesdosanjos.com.br/

    ResponderExcluir
  30. É interessante como a maturidade vai nos mostrando outras formas de pensar em relação à religião, quando estamos abertos às buscas para satisfazer a sensação de inquietação que temos em relação à algumas dogmas religiosos. O importante é ter fé, não importa de que forma ou através de quais rituais.
    Ótima participação, um abraço!

    ResponderExcluir

Devaneie você também!

Babel

O que você procura?

Quer receber estes devaneios em seu e-mail?

Devaneios em Vídeo