5 de jun de 2012

Pesadelo

Eu sou como um gato negro
Pulando sorrateiramente nos telhados

Chegando ao chão sem fazer barulho
Eu pairo pela noite como um vulto
Misturo-me à escuridão e ninguém me vê
Eu sou um ser obscuro
Que vem das ruas direto até você!
Infiltro-me pelas suas narinas, junto com o ar
Não adianta correr, você não pode escapar
Eu tomo conta de você, te deixo sem direção
Atormento suas noites, atravesso-as em sua mente,
Infernizo seus planos, seus sonhos, seu ser
Desestabilizo seu repouso, faço-te querer morrer,
sinto você encharcando-se em suor, e rio, mas você não percebe.
O dia está chegando,  e você se indaga o que houve... minha hora chega, vou te deixar..mas eu irei voltar,
sempre irei voltar!
Meu prazer é nas trevas,
minha vida é na sua mente
onde tenho lugar cativo.
Até mais.... volto ao limbo de onde venho, para na escuridão trazer mais fantasias tecidas e alimentadas nos seus piores medos. 


13 comentários:

  1. Oi Marina
    Primeiramente parabéns pelo novo layout, ficou bem melhor comentar! E o texto maravilhoso. É horrível o pesadelo e vc descreveu com maestria.
    Parabéns!
    Bjos e um ótimo feriado.

    ResponderExcluir
  2. Eita ! senti uma certa intimidação nesse texto kkkk'
    Mais tá ótimo! Tá muito bom! Adorei a parte que diz:

    Até mais.... volto ao limbo de onde venho, para na escuridão trazer mais fantasias tecidas e alimentadas nos seus piores medos.

    UI!

    Beijão, spiderwebs.tk

    ResponderExcluir
  3. Mari, tudo bem?
    Nossa! Muito bom!
    O próprio pesadelo narrando os seus efeitos em quem o tem, ficou muito bom, deu um certo "medo" pelo realismo, ainda que fantástico, do texto.
    Ainda não tinha lido texto teu assim, aprovadíssimo!

    Beijos e ótimo feriado!

    ResponderExcluir
  4. Mari,

    Boa tarde! Tudo bem? Esse texto foi demais, parabéns! real, intenso e coletivo. Penso que o pesadelo nos une, independente do tempo, pois esse é dono de si.

    Bom feriado.

    Beijos.

    Lu

    ResponderExcluir
  5. Ola Mari,
    Nossa, até senti pesadelos, rsrsrsrs... Que conversa intensamente sinistra! Ainda bem que faz tempo que não tenho um, e espero que esse ser obscuro fique o mais longe de mim possível.

    que texto! Muito legal! Viceral!

    Abraços, Flávio.
    --> Blog Telinha Crítica <--

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também não tenho esse tipo de pesadelo faz tempo, mas tenho sonhos bem estranhos. Chego a acordar e checar se tudo está bem. Argh. O último foi repugnante.

      Excluir
  6. Pessoal,muito obrigada pelos comentários, não pensei que o texto fosse repercutir desta forma! Abraços e bom feriado!

    ResponderExcluir
  7. Boa noite, Marina.
    Muito bom mesmo, parabéns.
    Bem assustador e perturbador.
    Abraço e bom feriado pra ti.

    ResponderExcluir
  8. Boa tarde, venho aqui por meio desse comentário agradecer pela força e pelo apoio no momento que mais precisei, muito obrigada!
    A respeito do poema, amei, muito bem estruturado e nostálgico, muito bom! beijos

    ResponderExcluir
  9. Oi,

    Gostei muito da forma como escreveu, parece uma daquelas canções macabras e obscuras que jamais deviam ser ouvidas a noite. Meus pesadelos - não que eu tenha muitos - sempre me contam histórias um tanto assustadoras, no último que tive lembro que cheguei a sentir dor, pois é. --'

    Beijos!

    ResponderExcluir
  10. Olá, vim lhe trazer o meu abraço e me deparo com um poema magnífico e muito expressivo. Meus parabéns!
    Tenhas um ótimo final de se-mana!

    ResponderExcluir
  11. Me senti como a vítima dessa criatura que durante o dia permanece no limpo e que ao anoitecer sai da escuridão para nos atormentar rs

    Direto tenho pesadelos, em geral com qualquer coisa do cotidiano que tenha chamado a minha atenção. Se dependesse de mim eu nunca sonharia rs

    Muito bom o poema!

    ResponderExcluir

Devaneie você também!

Babel

O que você procura?

Quer receber estes devaneios em seu e-mail?

Devaneios em Vídeo