18 de jan de 2012

Novamente?

poema escrito no final de minha adolescência - sim, meus queridos, faz um boooom tempo. 


De novo me vejo aqui
De novo olho em seus olhos
De novo sinto, como se aquele instante 
nunca tivesse existido
O tempo passou, e lentamente tudo o que eu guardava
Aqui no meu peito
Bem quieto,
Foi sumindo.

Paixão, ilusão, morrendo devagarinho
No cárcere que eu mesma criei. 
Às vezes, só às vezes, avivando-se um pouco
Como lodo, remexido com bastão
No fundo do rio.
De tudo o que já senti por você, 
pouca coisa sobrou. 
Um punhado de cálidas cinzas... 
E agora, que a dor foi superada, 
Que a vida passou, 
O tempo te trouxe aqui! 
E você pede para voltar???
Tentando assoprar as cinzas
Voltar ao ponto de partida
Querendo saber de minha vida!?
Não.
Esse tempo não vai voltar atrás
Você não é mais o mesmo 
Nem eu sou mais a mesma
A vida caminhou. 
E precisamos continuar seguindo nosso caminho
Nossas estradas não viraram uma só
E agora, estou feliz com a estrada que segui. 
Deixe o passado lá, no lugar dele,
Guardadinho
Quieto.
Continuemos sendo, um para o outro, apenas uma lembrança.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Devaneie você também!

Babel

O que você procura?

Quer receber estes devaneios em seu e-mail?

Devaneios em Vídeo