1 de nov de 2011

Medo

Medo... de que?

Medo que nada dê certo
Medo de não agradar
Medo de errar
Medo de perder
Perder algo
Perder alguém
Perder a si mesmo. 
Medo
De que?


Medo que domina, que paralisa
Ou medo que ajuda a pensar?
Medo para ser enfrentado ou obedecido?
Que medo? 
Quais medos? 
Quantos? 
Para que são os medos? 





Medo, escorre entre os meus dedos
Entre os meus dedos
Eu lambo os dedos
E saboreio meu próprio medo

Medo, escorre entre os meus dedos
Entre os meus dedos
Eu lambo os dedos
E saboreio meu próprio medo

Medo de ter, medo de perder
Cada um tem os seus
E todos tem alguns
Suando frio, as mãos geladas
Coração dispara até sufocar

Só trememos por nós mesmos
Ou por aqueles que amamos
Homem que nada teme
É homem que nada ama

Medo, escorre entre os meus dedos
Entre os meus dedos
Eu lambo os dedos
E saboreio meu próprio medo

Medo, escorre entre os meus dedos
Entre os meus dedos
Eu lambo os dedos
E saboreio meu próprio medo

Paranóia hi tech é a sindrome
Contagioso, manipulador
Antiga batalha:
O homem e seu pavor
Nocivo se paralisa

Só trememos por nós mesmos
Ou por aqueles que amamos
Homem que nada teme
É homem que nada ama

Se corre o bicho pega
Se fica o bicho come



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Devaneie você também!

Babel

O que você procura?

Quer receber estes devaneios em seu e-mail?

Devaneios em Vídeo